Orgulho e Preconceito

Chegados aqui pergunto: para que se fizeram eleger estes senhores?

Orgulho

Vinte e cinco anos depois da criação das Escolas Profissionais, o trabalho desenvolvido por estas é imenso! São centenas de milhares de alunos formados, com taxas de empregabilidade elevadas, com imensos alunos a prosseguir estudos para o Ensino Superior e com uma capacidade quase transcendente de ajudar a moldar consciências com um apego forte ao trabalho, à cidadania e ao humanismo.

Podem ser excessivos os adjetivos mas o sentimento de quem trabalha nos diversos projetos que se iniciaram por uma dinâmica criada pela sociedade civil e empresarial é este. Com dificuldades, como as que agora se sentem nas transições de Quadros Comunitários, é certo, mas numa perspetiva de dever cumprido mas com muito ainda por cumprir.

Desde 1989 que, por uma pressão social, pela falta de quadros intermédios qualificados e pela existência de um quadro de financiamento europeu que permitia um investimento com um reduzido ónus estatal, as escolas profissionais privadas têm porfiado e são hoje um bom exemplo do que se faz em Portugal, tendo sido fundamentais para o desenvolvimento do ensino profissional nas escolas secundárias públicas, desde 2005.Basta notar as visitas das sucessivas comitivas de responsáveis pelo ensino dual na Alemanha que em reuniões de trabalho elogiam os projetos educativos que têm oportunidade de conhecer.

Infelizmente, por tristes vicissitudes da vida política (com “p” pequeno), o facto de o ensino profissional ter sido incluído no capítulo Novas Oportunidades prejudicou o seu desenvolvimento. Isto porque as Novas Oportunidades geraram infelizes aproveitamentos governativos e ainda mais infelizes declarações em campanhas eleitorais, o que fez com que um projeto também ele admirado na União Europeia se visse relegado para os casos menos bons que sempre existem na mixórdia da comunicação social e do espaço virtual da web em que os sempre muito invejosos e populistas pululam. O que nos leva ao…

Preconceito

Penso que já ninguém duvida de que há uma ideia preconcebida no nosso atual Ministério da Educação de que há duas vias de ensino: uma de 2ª água e outra de 1ª. Pouco importa os nomes que lhe dão.

Assume-se simplesmente que há uma via profissional, de nível básico para os pobres coitados sem grande jeito para a escola, seguindo pela via do secundário através das mais variadas ofertas (cursos profissionais, de aprendizagem, vocacionais, duais, e outros que tais) e acabando no ensino politécnico. E depois há uma outra, para as elites e os mais afortunados que seguem um ensino dito “regular” que termina no ensino universitário.

Argumenta-se que as empresas necessitam de quadros técnicos mas não se faz orientação vocacional e profissional adequada. Pior (e isto preconiza uma clara desonestidade intelectual), alega-se que o acesso ao ensino superior deve ser equitativo entre as duas vias de nível secundário mas, para além de se avaliarem formações que são inexistentes nos conteúdos dos cursos de via profissional, obriga-se os alunos a terem nota positiva nos três exames a que são sujeitos, quando no ensino dito “regular” podem ter negativa desde que a média entre os exames e as disciplinas respetivas seja positiva. Aceito a equidade, mas quando é séria! E neste caso não é e necessita ser desmascarada.

Chegados aqui pergunto: para que se fizeram eleger estes senhores?

Declaração de interesses: sou orgulhosamente administrador de entidades titulares de Escolas Profissionais, Vice-Presidente da ANESPO – Associação Nacional de Escolas Profissionais e membro da Direção da CNEF – Confederação Nacional de Educação e Formação. Tive excelentes professores em escolas públicas privadas que frequentei. Sem preconceitos.

ver artigo…

Administrador do ISG
Este artigo de opinião foi escrito em conformidade com o novo Acordo Ortográfico.

Notícias e Eventos

Educação em Tempos de Pandemia

Educação em Tempos de Pandemia

Dia 5 de fevereiro, pelas 21 horas, convidamos a todas e a todos, a estarem presentes no Webinar: Educação em Tempos de Pandemia, com transmissão via Zoom e em Live na plataforma Facebook. No painel contamos com Dra. Teresa do Rosário Damásio, na qualidade de...

A Minha Geração e a Europa

A Minha Geração e a Europa

3 de Dezembro 16h30: Presidente Sassoli e líderes políticos do Parlamento Europeu em conversa com jovens portugueses Subordinado ao tema “A Minha Geração e a Europa” A sessão começa pelas 16h30 (hora de Lisboa) e pode ser seguida no Centro Multimédia, no Facebook e...

Conferência no ISG, Empreendedorismo Jovem

Conferência no ISG, Empreendedorismo Jovem

No próximo dia 13 de novembro de 2020, das 17h00 às 19h00, irá  decorrer a Conferência no ISG, Empreendedorismo Jovem, em parceria com o INETE, EPAR e EPET, instituições do Grupo Ensinus - Evento no âmbito da Semana Europeia das PM’s. Uma iniciativa da...

Semana Europeia da Formação Profissional: empregos para o futuro graças ao EFP

Semana Europeia da Formação Profissional: empregos para o futuro graças ao EFP

Um discurso na pessoa do Senhor Comissário Europeu Responsável pela pasta do Emprego e dos Direitos Sociais, Nicolas Schmit. “𝐇𝐨𝐣𝐞 𝐞𝐦 𝐝𝐢𝐚, 𝐚𝐬 𝐭𝐫𝐚𝐧𝐬𝐢çõ𝐞𝐬 «𝐯𝐞𝐫𝐝𝐞𝐬» 𝐞 𝐝𝐢𝐠𝐢𝐭𝐚𝐢𝐬 𝐞𝐬𝐭ã𝐨 𝐚 𝐫𝐞𝐝𝐞𝐟𝐢𝐧𝐢𝐫 𝐨𝐬 𝐧𝐨𝐬𝐬𝐨𝐬 𝐦𝐨𝐝𝐨𝐬 𝐝𝐞 𝐯𝐢𝐝𝐚, 𝐭𝐫𝐚𝐛𝐚𝐥𝐡𝐨 𝐞 𝐢𝐧𝐭𝐞𝐫𝐚çõ𝐞𝐬 — 𝐞 𝐨 𝐬𝐮𝐫𝐭𝐨 𝐝𝐞 𝐂𝐎𝐕𝐈𝐃-𝟏𝟗 𝐯𝐞𝐢𝐨...

×

Olá!

Contacte-nos pelo WhatsApp

× 918185162